​Os chaguim passaram, e aqui em Israel estamos nos preparando para o inverno, na tefilá todos nós já falamos “mashiv haruach umorid hagueshem”.

Todo ano na tefilat hagueshem, no mussaf de Simchat torá o chazan fala que a água seja para brachá, benção e não para klalá, maldição, que seja para vida e não para morte, para a fartura e não para escassez.

Me faz pensar como tudo na vida precisa de um equilíbrio, mesmo coisas que nos parecem ótimas, de repente podem ser terríveis.

A água normalmente é usada como algo ligado à saúde e à vida. Tomar água é saudável, nadar, exercitando-se na água também; com a água limpamos, purificamos, regamos, enfim, sempre escutamos o quanto ela é importante para as pessoas e para o universo.

É muito raro ouvirmos alguém que quando escuta água logo associe isso a com algo negativo. Quando falamos a palavra “espada”, no entanto, a maioria associa seu significado com guerra e outras coisas negativas. A espada pode trazer a paz, mas ainda assim sua associação é negativa.

Com a água é diferente, quando está muito seco desejamos uns bons dias de chuva, para limpar o ar, regar todas as plantações, florestas, etc. Enfim, normalmente sua conotação é bastante positiva.

Pois assim é, mesmo á agua que é o símbolo da pureza, de saúde, de tantas coisas positivas, também tem seu lado negativo, ou seja, também coisas boas precisam de limites, precisam de equilíbrio.

A água que rega as plantas e ajuda na limpeza do ar pode, chás veshalom (D’us nos livre), causar enchentes e trazer grandes prejuízos para a agricultura quando ocorre de forma abundante.

A água que abastece os mares e enche as piscinas, chás veshalom, também tem a capacidade de causar mortes nesses mesmo ambientes.

Ou seja, como via de regra até as coisas boas precisam ter um equilíbrio.

Assim vemos também quando trabalhamos em nossa midot, (características), existem características que são conhecidas como negativas, o kaas, a raiva, a inveja, …. E existem características que são conhecidas como positivas, a renúncia, a bondade, a piedade…

Sabemos que na vida temos que estar no caminho de ouro, no caminho onde temos equilíbrio, tem características que precisamos ter mais, mas isto significa que temos que ter um pouco da característica contraria também. Assim como uma balança aponta o ponto de equilíbrio, nós também devemos buscar nosso ponto de equilíbrio.

Uma pessoa que é extremamente nervosa com tudo, ele precisa passar para o extremo oposto para chegar no meio, mas precisa saber voltar para o meio.

A raiva pode ser muito mal para o relacionamento entre as pessoas, mas a raiva também serve para nos afastar das coisas ruins contra a Torá.

A renúncia (vitur) pode ser ótima entre o relacionamento das pessoas, mas a pessoa pode se “apagar”, se excluir das coisas, o que não é bom.

Cada pessoa tem suas características que ela nasce com ela, e as características que ela absorve e a transforma conforme o caminho de vida que ela toma.

As características que nós nascemos com elas, são parte de nossa essência; elas vão nos acompanhar, e a nossa escolha, o nosso livre arbítrio vai ser o que vou fazer com estas características.

Por exemplo, existem pessoas que tem uma característica de “gostar de sangue”, ela nasceu com esta característica, mas o que ela vai fazer com isso, é a escolha dela neste mundo. Quando falamos em “gostar de sangue” logo pensamos em um assassino ou algo do gênero. ​Embora esta possa ser a escolha de uma pessoa, ela também tem o potencial para ser um shochet , um mohel, ou um médico. Para todas estas profissões é necessário alguém que não passe mal ao ver o sangue.

Uma pessoa com voz forte e alta, ela pode usar para gritar nas pessoas, as deixando frustradas, mas ela pode também ser um bom chazan, um bom cantor alegrando os corações e as neshamot.

A inveja parece ser algo destrutivo, uma pessoa que inveja o carro, a casa, a família do outro, ela nunca vai estar feliz, pois está acabando com sua vida, mas quando a inveja serve de combustível para estudar mais, e buscar aprimorar seu desenvolvimento ela é capaz de maravilhas. Buscar o crescimento usando-o de forma conectada a coisas positivas é algo construtivo tanto para a própria pessoa como para aqueles que a cercam.

A mesma água que é vida, também pode ser a morte.

Sabemos que a chuva e suas consequências não estão muito nas nossas mãos (apenas as rezas dependem de nós). As bençãos, assim como a chuva, estão nas mãos de Hashem, mas o que nós vamos fazer com nossas vidas, isto é nossa escolha, as características Hashem nos deu de presente quando nascemos, podemos encaminhá-las da maneira que escolhemos.

Muitas características nós não temos, mas podemos trabalhar para desenvolvê-las

Então vamos fazer uma autoanálise e colocar no papel qual são minhas características? Quais nasceram comigo? Quais eu adquiri durante a vida?

Qual destas características são para o bem, e qual não são? Quais eu quero reforçar e qual eu quero mudar o rumo? Quais tenho demais e quais eu quero adquirir?

Qual é a água que traz a vida para mim e para todos em volta e qual, chás veshalom, é uma maldição em minha vida e na vida dos que estão ao meu redor.

Esta escolha está nas minhas mãos, está escrito que nós damos o primeiro passo e Hashem nos ajuda no caminho que resolvemos trilhar.

Mas o primeiro passo, qual estrada vou pegar…. Isto só eu que vou decidir.

A água é comparada a Torá; então se for assim vamos pensar que não pode ser pois estudar a Torá o dia todo, 24 horas por dia tem que ser o ideal, mas também na Torá precisamos de equilíbrio. Se uma pessoa ao nosso lado está se afogando (não só na água), e ao lado tem apenas uma pessoa que pode ajudá-la, é uma obrigação largar os estudos e ir ajudar quem está passando por apuros. Novamente vemos o equilíbrio na vida.

Beezrat Hashem, que tenhamos uma época com chuvas de bênçãos, com frutos doces e plantações com farturas. Que tenhamos o mérito de sentir a pureza da água, a pureza da Torá e ter uma vida equilibrada, e assim chegar no caminho de outro, no caminho da felicidade.

Chodesh Tov!

Sandrinha

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *