Integrando a Kehila judaica do Brasil & Israel.

O site ainda encontra-se em fase de implementação, portanto ele ainda está sujeito a constantes atualizações e melhorias.
Por favor nos comunique caso verifique algum problema de má funcionalidade. E enquanto isso, sinta-se à vontade para verificar nossa seção de notícias, avisos, empregos entre outras páginas que já estão em funcionamento.

23 Tishri 5782 (28/09/21)

Interagindo a Kehila judaica brasileira do Brasil & Israel.

Seu cantinho de informações, dicas, crescimento, aprendizado e muito mais!

 845,604 visitantes no nosso site,  6,051 Visitas hoje

Seu cantinho de informações, dicas, crescimento, aprendizado e muito mais!

Matéria de Dovi Batat

Notícia escrita por outro ângulo

No fim desta matéria há um link que irá te direcionar a inédita cobertura que fiz da visita.

Como vocês já sabem, na última quarta-feira cobri um evento especial em Kifl Hares.
Tratava-se do aniversário do falecimento de Yehoshua filho de Nun (Josué sucessor de Moisés).

Por conta desta data, foi realizada uma entrada de judeus a aldeia árabe aonde Yehoshua, Nun e Calev Ben Yefunê estão enterrados.

A entrada de judeus durante o ano é proibida pois a aldeia se encontra sob controle da Autoridade Palestina, território que legalmente um israelense não pode entrar (além do motivo de segurança).

A aldeia (Kifl Hares – Timnat Sêrach) se encontra ao noroeste da cidade Ariel, na área do Shomron.
Chegamos lá até a entrada da aldeia de ônibus e a partir de lá andamos. Dentro desta havia uma forte escolta, soldados parados em cantos estratégicos e a cada bifurcação um veículo militar com combatentes que nos diziam para onde ir. Após uma caminhada de 10 minutos dentro da aldeia chegamos ao túmulo de Calev Ben Yefunê, um dos 12 espiões enviados por Moisés antes da entrada a Terra Prometida.

Depois de uma breve parada, continuamos ao túmulo de Yehoshua, que se encontra 5 minutos de caminhada do de Calev.
O de Yehoshua se encontra bem no meio da aldeia, há uma pátio largo onde estava dividindo em 2, uma parte para mulheres e outra para homens.
Lá havia lanches e bebida (água e groselha), tudo de graça aos visitantes. Nos postes de luz da aldeia haviam bandeiras da OLP e do grupo terrorista Fatah. (Bela recepção não?)

O complexo do túmulo estava abarrotado de pessoas que aproveitaram esta oportunidade especial para rezar no túmulo do conquistador da Terra de Israel.

De lá uma curta caminhada mais a dentro da aldeia nos levou ao túmulo de Nun.
Durante o ano inteiro há algumas datas que o exército israelense escolta visitantes para dentro de Kifl Hares, porém, a chegada ao túmulo de Nun só é permitida uma vez ao ano, na data do falecimento de Yehoshua. Confesso que me emocionei ao conseguir visitar a tumba de Nun.

Em breve farei também uma cobertura como esta ao túmulo de Yossef (filho de Jacó) em Shechém.

Para ver a cobertura que fiz entre neste link:
https://www.instagram.com/s/aGlnaGxpZ2h0OjE3OTA3NjYyNTMzNzUwMjU5?story_media_id=2546838795771045176_9611614236