O Revolucionário / A Nota Diária / Sivan Rahav-Meir:

Tradução: Gladis Berezowsky e Yeshayahu Fuks

Há um ano, no auge do lockdown, apenas um punhado de pessoas pôde acompanhar o enterro do Rabino Yeshayahu Haber, o fundador da organização Matnat Chaim, que faleceu vítima de corona, aos 65 anos. Hoje, muitos planejam participar do primeiro serviço memorial no aniversário de sua morte. Rabino Haber não causou apenas uma revolução na doação de rins em Israel. Ele não apenas salvou a vida de 1.000 (!) doentes. Ele provocou várias outras revoluções ao mesmo tempo:

• A revolução social – você tem uma iniciativa? Você tem um sonho? Vá em frente, avance. Não espere pelo Estado, pelas instituições, pelos doadores. Comece e lentamente vire o mundo de cabeça para baixo.

• A revolução no envolvimento – Rabino Haber descobriu as dificuldades dessa área quando ele mesmo precisou de uma doação de rim. Depois de receber uma doação, ele conseguiu voltar à rotina. A partir de um problema pessoal, decidiu resolver um problema público. Isso é grandeza. Não se contente com uma solução para sua situação particular, não apenas se ajude, mas mude as regras do jogo e faça o bem a todos.

• A Revolução nas “tendências” – Frequentemente falamos sobre pressão social negativa, que faz com que uma pessoa ande por caminhos ruins porque “todo mundo é assim”. O Rabino Haber, entretanto, criou pressão social positiva. De repente “todo mundo doa um rim”, então talvez você também deva entrar na moda? Essa é a prova de que uma campanha educativa pode ser produzida, tendo tudo a ver com entrega e dedicação. No assentamento de Eli, onde vivem muitos doadores, certa vez circulou uma piada: “Um grupo de apoio foi aberto para pessoas com dois rins.”

• A revolução na união – um rim ultra ortodoxo entra no corpo de um paciente secular, um rim de uma pessoa da esquerda entra no corpo de um paciente da direita e, a cada vez, o encontro pós-operatório também se torna um encontro de incentivo à união. O próprio Rabino Haber explicou isso: “Não peço a ninguém que doe um rim a um estranho, porque não se trata de um estranho. É seu irmão.”

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *